quinta-feira, 31 de julho de 2014

PELO ESPELHO DO BANHEIRO


Por, Saulo H. S. Silva

(Autor desconhecido)


É tão estranho esse amor que não me deixa,
Uma verdadeira fixação que não me escapa.
Percebo tua silhueta em todas as mulheres
E por onde passo o teu cheiro me persegue;
Até a sua face de quem quer e tem medo
Repentina eu noto me fitando indecente
Pelo espelho embaçado do banheiro...
Esforço-me e não entendo a razão de tal apego!
E o que me resta é esquecer-te em outros braços
Dar a consciência para um diferente afago
Que não é o teu, mas que serve de consolo
Para essa mente que insiste e não nos deixa!

Nenhum comentário: