quinta-feira, 9 de maio de 2013

NOSSO PRÓPRIO DESEJO



Por, Saulo Henrique Souza Silva






Quero dedicar a ti todos os versos mais belos
Que minha pena registrou em papéis avulsos,
E efetivamente construir uma grande peça.
Afinal, são tantas as coisas para serem ditas.

Mas, estrategicamente, farei o papel do ecônomo:
Dar-te-ei pouco a pouco meus mais belos ditos,
A cada beijo recebido, um verso ao pé do ouvido!
E haja inspiração para tamanha sede e desejo...

Pois, eles se efetivam nas mãos que passeiam,
Nos lábios que grudam como uma cola tenaz,
Na vontade de permanecer por horas e horas.

E o que dizer aos olhares dos que nos observam?
 Da conversa de corredor, da murmurinha...?
A resposta: a vida pertence apenas a nós mesmos!
                                  
                      Então, destilemos sobre nós, nosso próprio desejo!











Nenhum comentário: