Mais visitados

domingo, 17 de junho de 2012

MEMÓRIA DE UMA VERNISSAGE



Por, Saulo Henrique Souza Silva


Galeria de Artes Álvaro Santos, Praça Olímpio Campos (Centro de Aracaju). 

Naquela noite demasiadamente turva e estranha
Enquanto a chuva banhava caridosa a rua imunda,
E os transeuntes patinavam na calçada molhada,
No grande salão, “observadores” intelectualizados  
Faziam caras e bocas olhando todos os quadros;
Nesse ínterim do ecoar dos burburinhos na exposição,
De longe, bem longe, propagava a suave canção...:
♫ “O quê mais ainda pode acontecer nessa noite?” ♫♫
                     
Galeria Floripa Loft I (Centro de Florianópolis)
                              Finalmente, vêm as aguardadas primeiras bandejas,
                              Repletas de croquetes com recheio já frio e azedado
                              E vinho em taças sujas que exalava aroma (des) agradável.
                              ­— Garçom outra taça, embriagar-me-ei de vinho barato!
                              Enlevava um artista franzino trajando multicolorido
                              Que, junto à sua obra opaca, gesticulava descontrolado;
                              Enquanto isso, de bem longe, se ouvia a suave canção...:
                              ♫ “O quê mais ainda pode acontecer nessa noite?” ♫♫
                              A cada instante o salão ficava mais cheio de todos os tipos
                              De senhoras dondocas com ares de falso conhecimento,
                             Àqueles que visitam esses salões por bebida e comida,
                             De artistas afetados a políticos risonhos e rechonchudos.
                             Nessa atmosfera estranha, estava taciturno em um canto
                             Observando todos os tipos e o vai e vem das bandejas,
                              E então, logo me veio à mente aquela canção tão repetida:
                           ♫ “O quê mais ainda pode acontecer nessa noite?!” ♫♫♫  



Um comentário:

FORUMVISUAIS disse...

Maravilha! Isto é o que posso chamar de retrato realista em versos livres.