domingo, 17 de junho de 2012

MEMÓRIA DE UMA VERNISSAGE



Por, Saulo Henrique Souza Silva


Galeria de Artes Álvaro Santos, Praça Olímpio Campos (Centro de Aracaju). 

Naquela noite demasiadamente turva e estranha
Enquanto a chuva banhava caridosa a rua imunda,
E os transeuntes patinavam na calçada molhada,
No grande salão, “observadores” intelectualizados  
Faziam caras e bocas olhando todos os quadros;
Nesse ínterim do ecoar dos burburinhos na exposição,
De longe, bem longe, propagava a suave canção...:
♫ “O quê mais ainda pode acontecer nessa noite?” ♫♫
                     
Galeria Floripa Loft I (Centro de Florianópolis)
                              Finalmente, vêm as aguardadas primeiras bandejas,
                              Repletas de croquetes com recheio já frio e azedado
                              E vinho em taças sujas que exalava aroma (des) agradável.
                              ­— Garçom outra taça, embriagar-me-ei de vinho barato!
                              Enlevava um artista franzino trajando multicolorido
                              Que, junto à sua obra opaca, gesticulava descontrolado;
                              Enquanto isso, de bem longe, se ouvia a suave canção...:
                              ♫ “O quê mais ainda pode acontecer nessa noite?” ♫♫
                              A cada instante o salão ficava mais cheio de todos os tipos
                              De senhoras dondocas com ares de falso conhecimento,
                             Àqueles que visitam esses salões por bebida e comida,
                             De artistas afetados a políticos risonhos e rechonchudos.
                             Nessa atmosfera estranha, estava taciturno em um canto
                             Observando todos os tipos e o vai e vem das bandejas,
                              E então, logo me veio à mente aquela canção tão repetida:
                           ♫ “O quê mais ainda pode acontecer nessa noite?!” ♫♫♫  



Um comentário:

FORUMVISUAIS disse...

Maravilha! Isto é o que posso chamar de retrato realista em versos livres.