terça-feira, 10 de janeiro de 2012

DIVERGÊNCIA



Sábia e encantadora divergência!

Afinal, que seria de toda existência

Se somente houvesse a convergência?

Haveria um amontoado de análogos,

Uma tautologia completa e sem graça,

A eterna redundância da mesmice.

Florescente e frutífero desacordo!  

Sobressai a todo estéril e seco acordo,

Impondo a divergência ao convergente.

E só assim tem sentido a vil existência:

A qual segue eternamente e incessante

Entre Guerra e Paz/Paz e Guerra!



(Por, Saulo Henrique Souza Silva)


Um comentário:

poemas pensamentos & etc. disse...

Para que aperfeiçoemo-nos cada um de nós, em um só corpo e cérebro no transcorrer de um dia, todos os dias, durante toda vida, de um instante pra outro divergimos de nós mesmos. AMANDO E ODIANDO. "jonaspaladino"