quarta-feira, 12 de outubro de 2011

DENTRE TUAS MADEIXAS


Por Saulo H. S. Silva


(Pablo Picasso, Fauno descobrindo mulher adormecida, 1936)


Envolto, perdido e respirando  
Por dentro de tuas madeixas
A cada iniciar de um novo dia,
Não me causa nenhum sufoco
Nem embaraça a minha vista.
Então, por dentre seus cabelos,
Quando vejo voluptuoso teu corpo,
Dantes clareado pelo frio da madrugada
Hoje bronzeado pelo calor da manhã,
A receber do sol sua luz matutina,
Vem-me à mente, ligeiro e esperado,
Um turbilhão de deliciosos desejos
Os quais tenho todo o tempo para saciar    
Como um animal impetuoso e sedento;
Assim, me perco durante o dia inteiro!   
E é nessa idas e vindas pelo teu corpo,
Banquete de meu voraz deleite,
Fitando teu sorriso de cadela santa,
Cuja inocência se desfaz e se refaz   
Continuamente, em melódica simbiose,
Que me desfaço das forças em furioso gozo!  


3 comentários:

Anônimo disse...

todo mundo se acha poeta dedica poemas p/ sua musa,declarando suas paixões e na verdade são tudo falsidades ..não passa de besterollll aí o amor...como é liiiiiiiinnnnnnnndo!!!!!

Saulo Henrique Souza Silva disse...

Haha, isso é coisa de gente ressentida e mal amada... Tanto é que não se identifica! Meus pêsames por seu ressentimento!

Poesias da Bruna disse...

Concordo contigo sobre o >> O AMOR É LINDO.... Apenas lamento o fato de vc n experimentar esta sensação... Mesmo assim. agradeço o coment e realmente, o amor é lindo!!! =)
Beijos(pisc!)