domingo, 10 de julho de 2011

SÍNTESE


Por, Saulo Henrique Souza Silva


Homem Sentado (período neolítico)


                                Sou um oposto em mim mesmo!
                          Perco-me e encontro-me na eterna mudança,
                          Vejam-me: sou o que sou sendo o que não sou.
                          Não sou sempre o mesmo,
                          Sou o eterno movimento;
                          Movimento das paixões.
                          Meu corpo comporta o conflito dos contrários:
                          O forte e o fraco,
                          O lento e o rápido.
                          Tudo que sou provém da guerra!
                          Da disputa das disposições internas,
                          Do querer e do não-querer.
                          Dos desejos, dos desesperos, dos apetites.
                          Do deleite e do prazer,
                          Do incomodo e do desprazer.
                          Mas, contínuo o que sou.
                          Pois, sou tese e antítese.
                          Na verdade, sou a síntese,
                          Desse eterno movimento.
                         Sou a constante geração,
                         A unidade dos opostos:
                         O amor e o ódio,
                         O conflito e o acordo!


Nenhum comentário: